Como e onde são enterrados os Reis da Arábia Saudita?

Com a morte do Rei Abdullah ibn Abdul Aziz Guardião das Duas Mesquitas Sagradas, surgem muitas perguntas sobre como são enterrados os Reis dessa monarquia, muitos imaginam mausoléus enormes cheios de luxo, afinal é o rei do pais maior produtor de petróleo do mundo, então deve ser algo espetacular.10947771_579251794492_127778501_n

Estão enganados os que pensam assim, o local onde sãoenterrados os Reis da Arábia saudita, é um cemitério publico que se chama (Al-Oud) na cidade de Riad capital da Arábia saudita, o tumulo é igual a todos os que ali estão desde o Rei que fundou o reio até o cidadão comum.10937826_579251340402_1260061694_n

Todos iguais, sem distinção, sem grandes construções em cima de suas covas, apenas um punhado de pedra e uma pedra grande para identificar que ali é um tumulo.

Esse não é o sistema saudita de sepultura, mas sim o sistema islâmico, assim fomos ordenados a ser enterrados, sem nenhum luxo.10934758_579255527012_549232309_n10904779_579255517032_1135644254_n10884798_579255532002_229462797_n10943261_579255512042_161913261_n

8 farsas criadas contra muçulmanos na internet.

Sempre vemos pela internet varias atrocidades atribuídas aos muçulmanos, em sua grande maioria, são farsas criadas por alguns evangélicos que precisam mentir para continuar mantendo seus seguidores longe da verdade, claro não são todos os que fazem isso, mas uma grande maioria com certeza.

  • É verdadeiro o leDIGO-NAO-FARSAilão de uma menina de 7 anos feito pelo estado islâmico?

http://goo.gl/vm5sMa

  • Cristão é queimado vivo em uma cruz no Nepal por não seguir o Islã.

http://goo.gl/7TJxip

  • Jovem cristã é estuprada e morta por rebeldes sírios.

http://goo.gl/rMnKul

  • Cristãos queimados por estarem lendo a bíblia.

http://goo.gl/exZhVI

  • foto mostra cristão queimado vivo na Nigéria.

http://goo.gl/qrzaK3

  • Missionaria Vanessa Rubens foi espancada até a morte.

http://goo.gl/8VPWLN

  • Hamas patrocina 450 casamentos pedófilos.

http://goo.gl/jG9I0s

  • Cena chocante! Cristãos queimados vivos.

http://goo.gl/tPZTwm

Como essas oito farsas existem varias outras, que ainda não foram desvendadas.

 

O grande problema dos ateus.

earth-sun-space-1O grande problema dos ateus em sua grande maioria é pegar as características da criatura e julgar o Criador por elas.

É o mesmo que alguém dizer a porta feita pelo carpinteiro é igual ao carpinteiro, ela pode comer, beber, casar, ter filhos, pensar e etc. é ridículo não é?

Da mesma forma são a maioria dos ateus, eles querem julgar O Criador com características das criaturas.

Um exemplo disso, quando o Alcorão diz que Allah ama, o ateu imediatamente vai processar essa informação baseado naquilo que ele conhece o amor que ele conhece ou que ele já sentiu ou viu ou ouviu falar e vai ligar esse amor ao amor de Allah.

O problema é que ele não tem uma regra principal que nós que cremos temos e é:

“Nada se iguala a Allah”

Então quando nós crentes ouvimos que Allah ama, não julgamos pelo amor que nós sentimos, ou vimos ou ouvimos falar, por que sabemos que o amor de Allah não é como o amor que conhecemos, não é como o amor que sentimos nada se iguala ao amor de Allah por que é completo e perfeito.

Seria irracional julgar o amor de Allah pelo amor do ser humano, se até mesmo entre seres humanos existem maneiras diferentes de se amar e níveis diferentes de amor.

Da mesma forma quando dizemos que Allah não foi criado, e que ele criou tudo, os ateus não conseguem imaginar algo assim, e por isso negam.

A negação é o caminho mais cômodo, mais irracional de todos os caminhos, e tentar provar que esse caminho é o caminho mais racional passa de todos os limites da do bom senso.

Foi encontrado um manuscrito do Alcorão sagrado escrito cerda de 20 a 40 anos depois da morte do Profeta SAAS.

Uma universidade alemã descobriu um manuscrito do nobre alcorão que foram escritos entre 20 a 40 anos após a morte do Profeta Muhammad SAAS. Cientistas da universidade alemã de Tuebingen confirmaram o achado, e disse que embora inicialmente pensasse que o manuscrito datava do final do final do século oito e inicio do século nove, descobriram novas evidencias de que foi escrito no século sete cristão, o mesmo século da revelação.

Kuranı-kerim-qurans-620x330

Analises e amostras de tais escrituras foram feitas como parte de um projeto com o objetivo de estudar o processo histórico da escritura do alcorão. O porta-voz oficial da biblioteca de tubingen declarou que em principio é possível saber a idade dos textos corânicos através de estudos específicos de caligrafia, mas durante as investigações também fizeram outros testes para confirmar o nível de precisão do primeiro teste.

 

Além disso, o porta voz esclareceu que os escritos do alcorão encontrados em tuebingen, são escritos em Kufi, que é uma das mais antigas caligrafias, e acrescentou  “acreditamos que estes escrito seja o mais antigo que temos”.

Sara Bokker – Ex-atriz e Modelo, EUA

sara_bokker

Sou uma mulher americana que nasceu no centro do coração da América. Cresci como qualquer outra garota, com idéia fixa no glamour da vida na “cidade grande”. Finalmente me mudei para a Flórida e para a South Beach de Miami, um centro para aqueles que buscavam a “vida glamorosa”. Naturalmente fiz o que a maioria das garotas americanas fazem. Foquei em minha aparência e apelo, baseando meu próprio valor na quantidade de atenção que recebia dos outros. Exercitei-me vigorosamente e me tornei uma personal trainer, adquiri uma residência cara de frente para o mar, me tornei uma frequentadora regular e exibicionista da praia e fui capaz de alcançar um estilo de vida confortável e elegante.

Anos se passaram para que eu percebesse que minha escala de autorealização e felicidade baixavam à medida que eu progredia em meu “apelo feminino”. Era uma escrava da moda. Era refém da minha aparência.

À medida que o vazio continuava a avançar progressivamente entre minha autorealização e estilo de vida, meu refúgio foi do álcool e festas a meditação, ativismo e religiões alternativas, somente para que o pequeno vazio se ampliasse até o que parecia ser um vale. Finalmente percebi que tudo era apenas um analgésico, ao invés de um remédio eficaz.

Como feminista libertária e ativista que buscava um mundo melhor para todos, meu caminho se cruzou com o de outro ativista que já estava na liderança de indiscriminadamente promover causas de reforma e justiça para todos. Juntei-me a campanhas em andamento de meu novo mentor que incluíam, na época, reformas eleitorais e direitos civis, entre outros. Agora meu novo ativismo era fundamentalmente diferente. Ao invés de advogar justiça de forma “seletiva” somente para alguns, aprendi que ideais como justiça, liberdade e respeito pretendem ser e são essencialmente universais e que o bem próprio e o bem comum não estão em conflito. Pela primeira vez soube o que realmente significava que “todas as pessoas são criadas iguais”. Mas o mais importante, aprendi que é preciso apenas fé para ver o mundo como um e ver a unidade na criação.

Um dia me deparei com um livro que é estereotipado de forma negativa no ocidente – o Alcorão Sagrado. Até aquele momento tudo que associava como Islã era mulheres cobertas em “tendas”, espancadores de esposas, haréns e um mundo de terrorismo. Fui atraída primeiro pelo estilo e abordagem do Alcorão e então me intriguei por sua perspectiva sobre existência, vida, criação e a relação entre Criador e criação. Considerei o Alcorão uma abordagem muito criteriosa do coração e alma sem a necessidade de um intérprete ou pastor.

Finalmente cheguei a um momento de verdade: meu recém-encontrado ativismo autorealizável não era nada além de abraçar uma fé chamada Islã, na qual eu poderia viver em paz como uma muçulmana “funcional”.

Comprei um belo vestido longo e um lenço lembrando o código de vestimenta da mulher muçulmana e caminhei pelas mesmas ruas e vizinhanças em que poucos dias antes tinha caminhado em meus shorts, biquínis ou trajes “elegantes” de negócios. Embora as pessoas, os rostos e as lojas continuassem os mesmos, uma coisa estava notavelmente diferente: a paz que experimentei pela primeira vez de ser uma mulher. Senti como se as correntes tivessem sido quebradas e eu finalmente estivesse livre. Estava encantada com os novos olhares de admiração nos rostos das pessoas em substituição aos olhares de um caçador observando sua presa, que eu antes buscava. Repentinamente um peso foi retirado de meus ombros. Não passava mais todo meu tempo consumido em compras, maquiagem, fazendo meu cabelo e me exercitando. Finalmente, era livre.

De todos os lugares, encontrei meu Islã no coração do que alguns chamam de “lugar mais escandaloso na terra”, o que faz tudo mais querido e especial.

Logo começaram as notícias sobre políticos, clérigos do Vaticano, libertários e supostos ativistas de direitos humanos e liberdade condenando o Hijab (véu) como sendo opressivo para as mulheres, um obstáculo à integração social e, mais recentemente, como um funcionário egípcio o chamou – “um sinal de atraso.”

Acho uma enorme hipocrisia quando algumas pessoas e supostos grupos de direitos humanos correm para defender os direitos das mulheres quando alguns governos impõem certo código de vestimenta às mulheres e que esses mesmos “combatentes pela liberdade” olhem para o outro lado quando mulheres estão sendo privadas de seus direitos, de trabalho e educação só porque escolheram exercer seu direito de usar o Hijab.

Hoje continuo a ser uma feminista, mas uma feminista muçulmana, que conclama as mulheres muçulmanas a assumirem suas responsabilidades em prover todo o suporte que puderem a seus maridos, para que sejam bons muçulmanos. Educar seus filhos como muçulmanos dignos que possam iluminar toda a humanidade mais uma vez. Desfrutar do bem – qualquer bem – e proibir o mal – qualquer mal. Falar com retidão e se levantar contra qualquer mal. Lutar por nosso direito de usar o Hijab e agradar nosso Criador da maneira que escolhermos. Mas é também muito importante que levemos nossa experiência com o Hijab a mulheres que nunca tiveram a chance de entender o que significa usá-lo e por que nós, de forma tão querida, o abraçamos.

Queiram ou não as mulheres são virtualmente bombardeadas com estilos de “vestir do mínimo a nada” em todos os meios de comunicação em todos os lugares no mundo. Como uma ex-não-muçulmana, insisto no direito das mulheres de igualmente saberem sobre o Hijab, suas virtudes e a paz e felicidade que traz à vida de uma mulher, como fez comigo. Ontem o biquíni foi o símbolo de minha liberdade, quando na realidade somente me liberava de minha espiritualidade e valor verdadeiro como um ser humano respeitável.

Não poderia estar mais feliz em deixar de lado meu biquíni em South Beach e o estilo de vida “glamoroso” ocidental para viver em paz com meu Criador e desfrutar da vida entre os seres humanos como uma pessoa de valor.

Hoje o Hijab é o novo símbolo de liberação da mulher para descobrir quem ela é, qual seu propósito, e o tipo de relação que ela escolhe ter com seu Criador.

Para as mulheres que se rendem ao repulsivo estereótipo contra a modéstia islâmica do hijab, eu digo: você não sabe o que está perdendo.